Dia Internacional da Mulher

 

Início    Histórico   Poema

 Início:

Há 145 anos, no dia 8 de Março de 1857, teve lugar aquela que terá sido, em todo o mundo, uma das primeiras ações organizadas por trabalhadores do sexo feminino. Centenas de mulheres das fábricas de vestuário e têxteis de Nova Iorque iniciaram uma marcha de protesto contra os baixos salários, o período de 12 horas diárias e as más condições de trabalho. A manifestação foi violentamente dispersada pela polícia. O dia 8 de Março é, desde 1975, comemorado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher.

Histórico:

1909 - de acordo com a declaração do Partido Socialista Americano, o 1° dia National da Mulher, nos Estados Unidos, foi realizado no dia 28 de fevereiro. As mulheres continuaram celebrando o seu dia no último domingo do mês de fevereiro até 1913.

1910 - O encontro socialista internacional, realizado em Copenhagen, estabeleceu o Dia da Mulher, em caráter internacional, para homenagear o movimento pelos direitos da mulher e de voto. A proposta foi aceita por mais de 100 mulheres de 17 países presentes a conferência, inclusive as 3 primeiras mulheres eleitas para o Parlamento Finlandês. Não foi fixada nenhuma data específica.

1911 - Como resultado das decisões tomadas em Copenhagen no ano anterior, foi marcado pela primeira vez como Dia Internacional da Mulher, o dia 19 de março, na Austria, Dinamarca, Alemanha e Suiça, aonde mais de 1 milhão de mulheres e homens participaram de manifestações. Além do direito de voto e de participação pública, foi pleiteado o direito de trabalhar, de treinamento vocacional e do fim da discriminação no trabalho.

- Em menos de uma semana, no dia 25 de março, houve um trágico incêndio na cidade de Nova York, no qual mais de 140 trabalhadoras morreram, a maioria de imigrantes Italianas e Judias. Esse dia foi de grande impacto na legislação trabalhista norte americana, e, as péssimas condições de trabalho foram invocadas nas subsequentes comemorções do Dia Internacional da Mulher.

1913-1914 - Como parte das manifestações pela paz, às vésperas da Primeira Guerra Mundial, as mulheres Russas comemoraram o seu primeiro Dia Internacional da Mulher no último domingo de fevereiro de 1913. No restante da Europa, no próprio dia, ou por volta do dia 8 de março, as mulheres promoveram manifestações em protesto a guerra, bem como em solidariedade às suas irmãs.

1917 - Com 2 milhões de soldados russos mortos durante a guerra, as mulheres Russas novamente escolheram o último domingo de fevereiro para fazer greve por "pão e paz". Líderes políticos opuseram-se ao momento da greve, mas, as mulheres fizeram suas manifestações mesmo assim. O resto é histórtia: 4 dias depois o Czar foi forçado a abdicar e o governo provisório garantiu às mulheres o direito ao voto. Aquele domingo histórico ocorreu no dia 23 de fevereiro do Calendário Juliano - em uso na Russia - mas, no dia 8 de março do Calendário Gregoriano em uso nos outros lugares.

(fonte: extraído de texto publicado pelo "United Nations Departmento of Public Information - DPI/1878-January 1997")

 

Poema:

BERNARDO
Silvana Guimarães


- Mãe, você tá dormindo?
- Não, filhote. (Sussurrando)
- Pode dormir com você?
- Pode...
- Mãe?
- Hem?
- Você tá de olho aberto?
- Tô. (Abrindo o olho)
- Você já brigou por amor?
- Brigar mesmo eu não briguei não, mas já fiquei de mal de uma
amiga do colégio, por causa de um menino que a gente
gostava...
- Eu hoje briguei com o Renato lá na escola.
- Hã? (Abrindo mais o olho)
- É, mãe. Ele queria tomar minha namorada.
- Mas brigaram de bater?
- Não, só xinguei ele.
- Ah... (Cochilando)
- Mãe, já dormiu?
- Não...
- Vão dormir bem agrudado?
- Vão...
- Mãe, você já sofreu por amor?
- Hem?!?! (Arregalando o olho)
- Eu tô sofrendo por amor, mãe. Muito... A Marcela...
- Me fala...
- Depois, agora vão dormir bem agrudado assim, que eu tô com
sono. Faz carinho nas minhas costas?
- Faço...
- Mãe, te amo. E não é de poprósito...

Dorme, filhinho, que eu já não durmo mais, fico velando o seu
sono e te fazendo carinho, minha cara de mãe abobada olhando
pro meu menino de quatro anos de idade. Sofrendo por amor.